De manhã cedinho.

18 de outubro de 2009



Uma coisa que eu levarei para o resto de minha vida serão as lembranças da minha escola.

Eu não tenho o que reclamar sobre ela. Todos os assuntos fora dela me fazem lembrá-la, seja dia, seja tarde, seja noite.
O tempo ainda não passou, mas um dia vai passar. Portanto, se eu não aproveitar o máximo que eu puder de forma alegre, tudo será em vão.
Não basta fazer tudo de qualquer jeito; não basta acordar cedo e correr para não perder a hora; não basta aprender tudo o que as aulas nos fazem aprender... Escola vai muito além disso.
Tem gente que tem sorte, tem gente que não. Eu, esse ano, sem dúvidas, tive muita sorte.
Conheci pessoas incríveis, cada qual com a sua maneira e o seu jeito de ser. Todas muito diferentes de mim. Adultos, jovens, idosos. Todos fazem parte das minhas manhãs e de nenhum tenho o que reclamar. Alguns me fazem rir, outros me fazem sorrir. Nenhum me faz chorar.
Não basta ser muito inteligente e ter um futuro glorioso. Temos que ter amigos; amigos esses que levaremos por toda a vida e que estarão sempre em nossos corações.
Teremos bons e maus momentos, mas tenho certeza de que não me arrependerei de viver nenhum.
As peças teatrais, os seminários, as festas, os dias sem almoçar, a falta de tempo, a correria, as boas e as más notas, as viagens pras casas dos amigos para estudar, a vontade de rir na hora errada e mais tantas outras coisas que mal sei organizá-las nesse texto.
Mantendo ou não contato com todos os amigos que lá formei, podem ter certeza de que quando eu crescer e tiver meus filhos e netos, terei orgulho de dizer que foi na escola que vivi boa parte dos melhores momentos de minha vida.
Pois é, eu amo a minha escola.

Manie
Estudante de jornalismo, escritora por amor e professora nas horas vagas. Tenho 22 anos, moro em Floripa com meu companheiro e tento ver graça nas coisas simples do dia-a-dia.

Você poderá gostar também:

3 comentário (s)