Ninguém tem o direito

3 de abril de 2010

De julgar o assassino sem ser o juiz,
De matar alguém independente do motivo.

De comer os animais para saciar a fome injusta,
De proibir o consumo de carne nas regiões famintas.

De xingar a mãe do vizinho que ouve música alta,
De ouvir música alta enquanto outras pessoas não gostam de música.

De interferir na vida dos amigos que você quer bem,
De ignorar os amigos quando precisam de você.

De animar alguém num momento difícil e mostrar-se feliz,
De ficar triste e mergulhar a pessoa triste em uma tristeza mais profunda ainda.

De assistir ao big brother brasil e se basear nas ideias ali expostas para formular opiniões,
De julgar alguém que assiste ao big brother brasil e assistir a final do programa com os olhos arregalados.

De comer excessivamente e engordar demais,
De não comer tanto e viver infeliz e descontente.

De falar o que quer a qualquer momento,
De ser sincero demais quando desnecessário.

De olhar no espelho e ver um fracassado,
De olhar no espelho e ver o rei do mundo.

De julgar os professores por entrarem em greve em busca de um salário melhor,
De ser um professor, ser feito de bobo e aguentar sentado e sendo mal pago.

De reclamar de uma criança que chora sem motivo,
De não saber se expressar e não chorar para não aborrecer o próximo.

De aproveitar a vida para viver,
De não viver para aproveitar a vida futuramente...


Tudo isso são apenas ideias
as quais nós seguimos
acreditando que seja o único caminho justo.

Sempre tem um outro lado,
sempre tem uma segunda opção.

Nada disso é única verdade,
Nada disso é única mentira,
Nada disso é contraditório,
Nada disso é a única realidade.
E se são tão diferentes e absurdas,
Deve ser porque são apenas ideologias.

Manie
Estudante de jornalismo, escritora por amor e professora nas horas vagas. Tenho 22 anos, moro em Floripa com meu companheiro e tento ver graça nas coisas simples do dia-a-dia.

Você poderá gostar também:

1 comentário (s)