A nossa roseira.

23 de abril de 2010

"A gente vai contra a corrente
Até não poder resistir
Na volta do barco é que sente
O quanto deixou de cumprir
Faz tempo que a gente cultiva
A mais linda roseira que há
Mas eis que chega a roda viva
E carrega a roseira prá lá..."

E apesar de todas as rodas vivas, fomos fazer picnic na praia.
Jogamos as moedas sobre a mesa e compramos tudo o que pudemos.
Um pingo, dois pingos, três pingos...
Chovia.
"Ah, poxa, logo agora?"
Ficamos sobre uma cobertura, perto da areia.
Esticamos a toalha e jogamos tudo o que tinha para encher a pança.
Um pingão, dois pingões, três pingões.
Continuamos no mesmo lugar, sentados.
Mais um pingão, mais dois pingões, mais três pingões.
Abrimos o guarda-chuva pra aliviar a ventania.
Um ventinho, dois ventos, três ventões.
Tudo voou pelos cantos.
Jujubas coloriram o chão.
Um vento enorme, folhas e sacolas de supermercado voando.
Levantamos, nos abraçamos num canto, todos os oito, contra o frio.
De repente, começamos a rir todos ao mesmo tempo.
Rimos muito, até a barriga doer.
Começamos a dançar.
Dançamos tanto, mas tanto!
Nos abraçamos por causa do vento gelado.
Rimos, dançamos, comemos o que restara das jujubas.

É tão bom ter vocês perto de mim.

Manie
estudante de jornalismo, escritora por amor e professora nas horas vagas. 22 anos, moro em Floripa com meu companheiro e tomo cerca de 5 doses de café diárias. amo cheiro de livro velho e sou gamada numa biblioteca. adoro vinho barato, noites frias - dessas que sai fumacinha da boca. sou rolezera, mas também gosto de ficar em casa de buenas fazendo sopa.

talvez você também goste:

1 comentário (s)