Notas boas!

14 de setembro de 2010

Oh!
Perdi a voz...
sinto-me um nada no meio da rua,
mais uma pessoa inútil para atender telefonemas,
uma criatura incomunicável perante o atual mundo da comunicação.
Falta de coragem?
Fraqueza?
Não! GRIPE!


É, eu literalmente tô sem voz. Hoje eu ainda posso dizer algo, com certa força, mas há dois dias atrás eu realmente não conseguia dizer absolutamente nada. O médico disse que se trata de uma gripe que afetou a minha querida laringe e beneficiou todos os seres que não aguentam ouvir a Manie falando. Pois é, a gente só dá valor quando perde né? Tenho sorte de, em poucos dias, estar melhor novamente.

Minha mãe diz que, desde pequena, o que mais cativava meus professores e conhecidos era a minha humildade. Eu, modéstia parte, sempre tive boas notas durante minha vidinha escolar, sempre ganhei prêmios de "melhor amiguinha" e essas paradinhas, mas nunca dei muita importância pra isso.


Todavia, porém, contudo, no entanto... não nego que sinto uma espécie de "auto-orgulho" quando recebo um elogio na escola. Acontece que, depois de quase um mês de trabalho cansativo, consegui atingir a nota máxima no meu trabalho de Sociologia, aquele das fotografias da minha cidade, sobre política e eleições. O professor elogiou-nos (nos, pois o trabalho foi feito por mim e por minha amiga fofi Dani) muito, mostrou nosso trabalho pra classe inteira, página por página, comentou o máximo que pôde... hoje a diretora ainda me disse: "Mariany, soube que seu trabalho de Sociologia ficou ótimo, né?". Ahhh, tô me sentindo tão feliz.



"Tem alunos na escola que eu chegava a duvidar se copiavam ou não da internet, de tão perfeito que ficavam seus trabalhos'' - dizia o professor, folheando nosso trabalho -"Por exemplo, essa parte do plano de governo, como foi colada da internet, não me preocupei em ler, mas gostei muito dessa outra parte..." - e ele continuou... mas não tive como explicar que cada palavrinha das 43 páginas do nosso trabalho foi criada à partir das nossas mentes. Será que foi a minha "humildade constante" ou a bendita falta de voz? Bem, não importa... estou feliz!!



Pretendo postar o trabalho aqui. Tenho que admitir que ficou com um bom caráter crítico e espero que gostem do resultado. Prometo arranjar tempo para postá-lo, ok?


"Onde tem Mariany, tem arte", finalizava o professor, na última página.

Manie
Estudante de jornalismo, escritora por amor e professora nas horas vagas. Tenho 22 anos, moro em Floripa com meu companheiro e tento ver graça nas coisas simples do dia-a-dia.

Você poderá gostar também:

1 comentário (s)