All WE need is love

9 de dezembro de 2010

''Essas guerras, elas não podem ser vencidas

E você quer que elas vão adiante
E vão e vão?
Porque dividir esses territórios,
Quando deveria existir apenas um? (...)"



Partindo dessa música maravilhosa do Muse, voltada aos Estados Unidos da América, vamos relacionar os territórios com os seres humanos em geral.



A preocupação da humanidade está cada vez mais voltada aos interesses individuais. As pessoas não são mais vistas pelo o que são, mas pelo o que vestem, pela religião que cultuam, pela cor de sua pele, por sua orientação sexual, pelo piercing que têm no nariz, pela música que ouvem, pela comida que comem, pelo idioma que falam e por uma série de outros fatores os quais você já deve estar cansado de ouvir sentado em seu sofá de frente para a TV.

Por conta disso, vemos todas essas desgraças acontecendo ao redor do mundo... todas elas denomidadas, por meus conceitos, como conflitos sangrentos. Sim, todos esses conflitos são sangrentos porque por mais que não causem feridas físicas, provocam uma dor imensa no ser humano que é agredido psicologicamente, seja por uma frase ou por um olhar que é capaz de metralhá-lo.

O egoísmo já faz parte da atmosfera do nosso planeta. Deixamos de ser unidos - se é que um dia fomos - e passamos a ser movidos à um papel verde causador de tanta desgraça e desigualdade chamado dinheiro. Na verdade, tudo é movido à dinheiro. Tudo. Desde o mais pobre carpinteiro, o qual sobrevive do lucro de seu trabalho sofrido, até os políticos corruptos que pagam suas viagens caríssimas com o dinheiro desses carpinteiros. A fome, a miséria, as guerras... tudo movido pelo mesmo combustível.

Tantos problemas, tantas desgraças, tantas guerras, tantas lágrimas! A voz dos inocentes implora por uma trégua! A paz só é impossível porque nós, seres humanos, fazemos dela algo inalcançável, uma vez que nós mesmos construímos o seu fim... e, consequentemente, o nosso próprio fim.

A desigualdade em geral fez com que nos distanciássemos da questão de sermos uma única coisa movida por um único e verdadeiro combustível: o amor.

O amor está em extinção. Esses interesses estúpidos e esses conflitos malditos estão usando as mais poderosas armas para extinguí-lo. As pessoas se preocupam tanto com coisas tão supérfluas, causadoras tanto sofrimento, em prol de uma bosta de um dinheiro, que se esquecem do significado do amor. Se elas parassem para lembrar do porquê de estarem vivas, os judeus e palestinos se amariam tanto que a única bomba que explodiria dentro de seu conflito seria feita de amor.

Somos uma única coisa, merda! Será que é tão dicífil enxergar isso? Somos feitos de carne e osso e ainda temos o presente lindo da natureza de sermos das mais variadas cores! Temos os mais diversos costumes, religiões, nacionalidades... Oras, isso é mais que perfeito! Por que as pessoas enxergam todas essas diferenças de uma maneira tão negativa, querendo que tudo partisse de suas ideologias imbecis, fazendo com que todas as coisas boas que poderíamos aproveitar disso tudo se tornem um mar de intolerância e desigualdade? Para quê dividir tudo isso quando deveríamos ser apenas um?

O amor está se esgotando. Garanta a sua dose antes que ele vire mais um item comercial e somente os ricos possam dele usufruir.

Manie
estudante de jornalismo, escritora por amor e professora nas horas vagas. 22 anos, moro em Floripa com meu companheiro e tomo cerca de 5 doses de café diárias. amo cheiro de livro velho e sou gamada numa biblioteca. adoro vinho barato, noites frias - dessas que sai fumacinha da boca. sou rolezera, mas também gosto de ficar em casa de buenas fazendo sopa.

talvez você também goste:

0 comentário (s)