Abajur

24/09/2011

(eu um tanto quanto assustadora)

To digitando sem saber porque e as palavras tão saindo sem serem selecionadas. Bom, o que eu to sentindo é um sentimento estranho. Nossa, eu to feliz... muito até. Sabe quando dá vontade de sair sambando e abraçar as pessoas como se eu realmente fosse irmã de todas elas e nadaaaaaar mesmo sem saber nadar? Ou seila, revolucionar o mundo, pular de um penhasco e cair numa cama elástica gigante.

NOOOOOOOOOOSSA

Não me importo com acentos circunflexos ^ ou crases mal colocàdas ou se esse mal que eu acabei de escrever é com L ou U. Eu estou vivendo dias normais, normais mesmo, como os de muita gente. Vou pra escola, volto, estudo, brigo, faço as pazes, pego o 13 lotado todo dia, levo bolinho Ana Maria pra comer no intervalo, almoço o pão com queijo da Vila Rica quase todas as tardes e no sábado passo o dia no Educafro estudando com o pessoal... É muito estranho, só sei no meio de todo esse sentimento bom, to com uma dor de cabeça infernal que eu tenho quase certeza que não é de óculos. Quero pipoca com manteiga. Mano porque (junto mesmo) que eu to escrevendo tudo isso ponto de interrogação meu deus, eu não fumo orégano juro pra você que tá lendo. Só sei que hoje eu tava me sentindo muito mal. Minha mãe diz que eu sou uma esponjinha, porque sou frágil pra essas coisas de energias negativas_______e acabo absorvendo algumas coisas ruins sem perceber. Dá mo coisa louca no estômago e mistura com a dor de cabeça e parece que eu vou vomitar ou desmaiar, as pernas ficam bambas... da outra vez achei que algo ruim fosse acontecer com alguém próximo, hoje pensei que fosse acontecer algo comigo.

LUZES COLORIDAS SE MOVIMENTANDO COM PRESSA, CORRAM!!

Mano meu cachorro tá com a barriguinha pra cima estirado no chão da sala. Eu só sei que eu ía escrever algo que pode parecer dramático aqui, mas depois pensei que não lembro o que eu pensei. Seilá eu tava tendo uns sonhos estranhos e não lembro. Tenho a sensação de que sempre sonho que estou andando de ônibus e parece que quando eu durmo eu tenho uma vida a parte, com ou sem as pessoas que convivem comigo, mas não é a mesma vida. Eu estava relembrando tudo o que eu vivi desde pequena e parece que esse ato é uma espécie de retrospectiva assustadora. Até alguns minutos atrás a sensação que eu tinha era que todas as despedidas temporárias seriam definitivas. Sensação estranha... Mas passou. Agora eu to meio doida aqui... nunca escrevi algo tão doido, mas precisava registrar antes que as memórias dessas sensações se tornassem mais fracas e eu perdesse a vontade de postar todas elas aqui. Mesmo assim, o poeta é um fingidor, e como finge a dor que deveras sente, isso pode não ter dado tão certo.

Manie
Estudante de jornalismo, escritora por amor e professora nas horas vagas. Tenho 22 anos, moro em Floripa com meu companheiro e tento ver graça nas coisas simples do dia-a-dia.

Você poderá gostar também:

3 comentário (s)