No

14/04/2013

Senhora Wikipédia diz: Ditadura é a designação dos regimes não-democráticos ou antidemocráticos, ou seja, governos onde não há participação popular, ou que essa participação ocorre de maneira muito restrita.
No, filme dirigido por Pablo Larraín, retrata o período em que o Chile passou por um plebiscito que decidiria o futuro do país. Tá, legal, vou assistir ao filme, comprar minha pipoquinha, mas... Que plebiscito?

Acontece que alguns anos antes, um futuro ditador severo um carinha bacana chamado Pinochet deu um belo d'um golpe de estado no retirou delicadamente o até então presidente chileno do poder e iniciou um regime ditatorial no país.
É claro que a galerinha esquerdista não curtiu a ideia e tentou muitas vezes derrubar o governo, mas a maioria morreu ou sumiu misteriosamente. Os presos políticos eram enviados para, literalmente, campos de concentração, onde eram pressionados física e psicologicamente, além de serem submetidos a trabalhos imensamente desgastantes. Um desses campos, por sinal, foi estádio do Universidad de Chile. 
Até que o tal do Pinochet, cansado da pressão internacional contra seu governo, aceitou convocar um plebiscito, onde a população votaria sim (se desejassem que ele continuasse no poder) ou não (se preferissem tirá-lo do poder). 

O filme No, o publicitário René Saavedra (personagem do famoso Gael García Bernal) é chamado para coordenar a campanha contra a continuidade do governo de Pinochet. Com a esperança de conseguir chamar a atenção da população, René investe, mesmo sem muitos recursos, em uma propaganda alegre, expressando através do arco-íris (símbolo da campanha do Não), a felicidade e o bem-estar que as pessoas conquistariam com o fim do governo ditatorial. 

Um ponto legal na elaboração do filme foi a utilização de câmeras de efeito vintage, o que nos leva a uma viagem a 1988 sem sair do sofá. 

Trailer:




Meu perfil no FILMOW

Manie
Estudante de jornalismo, escritora por amor e professora nas horas vagas. Tenho 22 anos, moro em Floripa com meu companheiro e tento ver graça nas coisas simples do dia-a-dia.

Você poderá gostar também:

2 comentário (s)