De Bagdá, com muito amor

17/10/2013

Amanhã é aniversário do blog! (samba na cadeira)
Estou preparando um post especial, aguardem!


Como eu já comentei aqui no blog, 2013 está sendo o ano da leitura pra mim. Voltei a ler com toda força e desde A Menina que Roubava Livros foi um livro atrás do outro. Acabei descobrindo que não tem essa de não ter tempo pra ler. Basta a gente ter um pouquinho de vontade e vai acabar achando um tempinho antes de dormir, no ônibus, no intervalo da novela... Nem que a gente demore semanas pra virar a última página!

Lá estava eu, no trabalho da minha mãe, esperando ela terminar de atender o telefone da recepção da clínica veterinária. Naquele dia, eu já tinha terminado minha última leitura e estava bem maníaca atrás de um livro pra ler. Foi aí que bati os olhos na pequena estante de revistas e vi essa belezura lá, me olhando com amor e sedução. Não resisti e peguei emprestado com a veterinária (obrigada, Dani!).


Conta a históia de um cãozinho iraquiano, que fora encontrado por soldados americanos durante uma missão, porém é muito mais do que um livro triste sobre um cachorrinho. De Bagdá, com muito amor é uma mistura de Marley & Eu com Jornal Nacional.  O pano de fundo é a guerra do Iraque, de 2003, bem como todo o sofrimento que uma guerra traz pras vidas que ela abraça.

(...) encontraram o pequeno abandonado ali mesmo, quando tomaram o lugar, e que o bichinho ainda está ali porque agora não sabem o que fazer com ele. Como resolveram utilizar a casa como posto de comando e o cachorrinho, de cinco semanas, faminto, já estava lá, ou eles o atiravam à rua, ou o executavam, ou o deixavam de lado para morrer devagar em algum canto. Ouvi todo tipo de desculpa:

"Eu não, meu chapa, não vou fazer isso."

"Não vale a munição."

"Não sou um psicopata, cara".

Quem narra é o tenente-coronel Jay Kopelman, que se envolveu de um jeito inexplicável com Lava, o cãozinho. Por isso, a trama é arranjar um jeito de tirar Lava do Iraque com vida, já que esse ambiente não é o mais apropriado para um filhotinho de menos de dois meses de vida.


O mais interessante é que Jay nos aproxima demais da realidade triste que foi essa guerra. Nos transmite a ideia de que soldados são seres humanos que também possuem sentimentos, e não versões humanizadas do Max Steel. Junto com o Jay, a gente mergulha numa história real e vê de perto a problemática dos homens-bomba, estradas extremamente perigosas, a vida de famílias iraquianas durante esse período, detalhes que as notícias não mostram.

Em geral, acredita-se que a gente entra na marinha menino e sai homem, como se eles tivessem essa capacidade mágica de transformar o que você é, mas a grande verdade é que já éramos loucos quando entramos e continuamos loucos ao sairmos, a diferença é que agora cantamos o hino dos fuzileiros e aprendemos artes marciais maneiras.

A gente aprende junto com Lava e Jay que uma guerra não é apenas um acontecimento pra estampar nos livros de história, mas sim, um conjunto de pequenas vidas que se envolvem num laço de violência, incoerência e desumanidade. 


É um livro que se afunda nas nossas almas, de tão profundo, realista, indignante e comovente. É um daqueles que todos deveriam ter o direito de ler antes de morrer.


Título: De Bagdá, Com Muito Amor.
Autor: Jay Kopelman, com Melinda Roth.
Editora: Best Seller
Páginas: 194
Nome original: From Baghdad, With Love


Meu perfil no SKOOB


Para finalizar o post de hoje, deixo aqui a infelicidade do Bob ao notar o tempo chuvoso. Tempo chuvoso = sem passeio. 

(depois a chuva deu uma trégua e a gente pôde dar uma voltinha... ele ficou todo feliz)

Você poderá gostar também:

12 comentário (s)

  1. HAHA, Manie ele te olhou com sedução? Acho que foi você que o olhou assim, hein? A história é lindaaa, adoro histórias com cachorro, mas que tenham um plano de fundo interessante, que prenda a atenção...se tiver oportunidade irei ler! Amei a resenha Manie, como sempre engraçadinha, né? haha

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. nhaaa, obrigada pelo comentário, Paula! na verdade foi uma sedução mútua HAHAHA beijinhos!

      Excluir
  2. Um amor total sempre, né? As melhores resenhas sempre, né? E esse cachorrinho me deixando apaixonada também sempre. <3

    ResponderExcluir
  3. adorei a resenha, AAMO livros e histórias com cachorros. com certeza lerei um dia se tiver oportunidade!
    beijo!
    http://suhdd.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. não vai se arrepender, Suuh! beijinhos!

      Excluir
  4. Um amor seu cachorrinho <3333 E também amei a resenha!! Que linda, o livro parece ser ótimo! To intrigada aqui pensando quando é que vou comprar haha
    http://www.momentosassim.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. hahaha antes de comprar, sempre faça um esquema de investigação Sherlock Holmes pra ver se não tem nenhum conhecido que tenha! beijinhos, Ellen!

      Excluir
  5. Awn... Parece ser uma história linda. É bem capaz de quando eu ler chorar litros! kkk Meu Deus! Parece que tudo que chega perto de você fica fofo, Manie! Seu cachorro é um pote de fofura! :3

    Jovens Gordinhas

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. hahahaha obrigada, Sel! você também é fofinha *-*

      Excluir
  6. eu adoreiiiiiiiii as fotos, e o post
    eu estou seguindo aqui viu, eu adorei, então ficaria muito feliz se você seguisse meu blog
    eu comecei agora, e novo ainda, espero por você viu, ansiosamente, um beijo
    jubsenrique.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. fico feliz que tenha gostado aqui, Jullya! pode deixar que te faço uma visitinha :D

      Excluir