Indignada... E com muito palavrão pra falar

26/04/2014


Hoje ele me ligou e me disse que ia ensaiar a tal da peça. Eu não queria ouvir porra de peça nenhuma, sabe. Queria que ele sentisse por mim o mesmo que eu sinto por ele, apenas. Dane-se a peça que ele vai apresentar na terça-feira. Tô cansada de ser plateia cobaia e ficar ouvindo todas as falas de todos os teatros que ele tem que apresentar. Tô cansada de não ser personagem principal dessa obra. Tô puta. E bota puta nisso.

Entro no bar. Vejo ele lá, sentado na mesa 6. Respiro fundo e entro com o pé direito, que é pra não dar azar. Já preparo meu psicológico pra saber que não, ele não me quer; ele quer apenas declarar aquelas drogas de peças de amor. E quer um elogio, provavelmente. Tá, eu entro. Entro, dou alguns passos e apareço na sua frente. Ele me olha com naturalidade. O desgraçado nem pra mostrar um pouco de ânimo ao me encontrar. Tá certo, tudo por pelo menos sua amizade. Sento naquela cadeira de metal, bem cara de boteco de quinta. Já chego pegando um gole da cerveja que tava no copo dele. Tava quente. Droga. Ele nem me dá oi. Já começa falando a porra do discurso dele. Que lindo, emocionante. Mentira. Me irritei. Aquelas palavras me amordaçaram, sabe? Queria que ele fosse muito pra puta que pariu naquele momento. Nem pra me dar um oi, pra falar da porra do meu cabelo que eu fiquei horas hidratando durante a tarde; nem pra me oferecer um refrigerante; nem pra me dar um simples boa noite. Apenas narrou aquela desgraça daquela peça, dramatizando feito um idiota:

- Vem, morena, deite cá no meu ombro enquanto a gente vê essas ondas quebrarem feito pedra. Vem, que hoje tem fogueira, tem samba, tem bolo de fubá, tem amor. Vem, que o sol já tá se pondo e meu coração te chama desde que o tal do astro rei nasceu... É, morena, acordei pensando em ti; acordei pensando em como construiria orações subordinadas que me fizessem te mostrar o quão subordinado sou pelo frio na barriga que sinto ao te ver. Vem, que pra hoje eu prometo abraços e vinho doce. Vem, que a sede de te amar me faz... Brincadeira, não tem essa de sede não. A sede eu já matei desde que te conheci. Agora só falta chegar pra ti, confiante do que eu sinto e declarar essa vontade que eu tenho de estar contigo, morena, sentindo o calor do teu corpo dentro desse vestido rendado, me chamando, que eu sei que chama. E esse pôr-do-sol, hein, morena... Vem, vem assistir comigo. Te faço um cafuné, te abrigo em meus braços e te amo.

Palavras bonitas, mas não era pra mim. Já tava acostumada a ouvir aquele tipo de peça bonitinha, naquelas mesmas mesas de bar caindo aos pedaços. Era tanta agonia e ódio dentro de mim, que eu não pensei duas vezes: levantei e saí correndo. Sim, fui pra casa. Deixei ele lá com cara de bunda olhando pro copo de cerveja quente dele. Quem sabe assim ele não se toca de uma vez que eu gosto desse desgraçado? 

- O que houve? - disse a voz dele, duas horas depois, do outro lado do celular.
- Achei bonita a fala. - ironizei, com a cara vermelha de raiva de tanta cara de pau. Me liga pra perguntar "o que houve?", com voz de inocente, como se não soubesse de nada. 
- Que fala?
- A fala da tua peça, ué. - falei, quase rosnando.
- Mas você saiu antes de eu te mostrar.

(foto do weheartit)



Você poderá gostar também:

10 comentário (s)

  1. Eu poderia ler esse texto mil vezes seguidas. Acho que me identifico um pouco, um pouco bem grande pra falar a verdade haha.

    isabelefarias.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. ai acho o máximo quando alguém se identifica com um texto meu... fico me sentindo recompensada! :3

      Excluir
  2. Awnnnnnnnnnnnnnnnnnnnn! :3 Que lindo, Manie! Queria escrever tão simples e lindo assim! ^^
    E eu já pensando que ele era o maior canalha, mas não, ele a amava! *--*
    Sel do Jovens Gordinhas

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. sel ♥ obrigada pelo carinho
      foi numa madrugada dessas, sem sono e com mil coisas sambando na cabeça que esse texto nasceu

      Excluir
  3. Hahaha, adorei o texto, juro que ri um pouco no final. x.x
    Juro que no início consegui odiar o rapaz também, mas depois eu achei ele fofo, haha! ~Mostra que devemos ter paciência, né, vai que cola...

    agataluz.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. adoro quando consigo esse efeito cômico mesmo com um pouquinho de drama/revolta hahahaha

      Excluir
  4. Oie.
    Nossa, não esperava esse fim e olha... foi uma baita declaração amorosa.
    Não sei se foi um desabafo ou somente um texto, mas adorei !

    Bjooos
    http://www.azul-calcinha.blogspot.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. não foi desabafo não, sharon! foi apenas um surto de criatividade mesmo hihihi

      Excluir
  5. Cara. Nem sei direito o que comentar. Absurdamente sensacional! Aplaudi fervorosamente. Fantástico. Obrigada.

    ResponderExcluir