Hoje eu olhei o mar

13/07/2014


É como se tivesse um ponto de interrogação enorme no meu peito... não, no meu estômago. De vez em quando ele fica numa boa, sem demonstrar que tá ali. Mas tem hora que ele resolve simplesmente sambar aqui dentro, me deixando com uma mistura de dor com sensação de autossuficiência.

Não sei vocês, mas quando eu fico nessa vibe, eu me sinto assim, autossuficiente. Parece que a gente tem o poder de tudo só por se deixar sentir esses momentos ruins, como se a gente falasse "olha, mundo, eu sei que eu sinto essas coisas e eu aceito isso". Até porque não adianta esconder: uma hora os monstrinhos  em forma de ponto de interrogação aparecem.

Ontem eu tava bem. Não estava num ápice de alegria, mas assim como nos últimos dias, venho ficando numa boa. Parece que tô sacando qual é essa de liberdade, de tranquilidade, de paz. Nos últimos tempos, vim me deixando viver o que eu quisesse, sem medo, sabe, apenas vivi. Um dia após o outro, gole lento pós gole lento. 

Então hoje eu olhei o mar. Tava de noite e muito frio. E, de repente, era só eu e aquelas ondas, que batiam nas pedras e formavam cortinas d'água congelantes. Fechei os olhos e senti aquele vento gelado voando no meu rosto, já imaginando "taquipariu, vou ficar gripada nessa porra", mas continuei ali, com aquela mistura de cloreto de sódio e sabe lá mais o quê. Pensei em coisas que voavam pela minha mente como se fossem vultos de aquarela, algumas vezes coloridos, outras cinza. Foi uma mistura de "sou foda" e "que merda de vida". 

Poderia ter parado por ali e cortado aquela dor pela raiz. Poderia ter ido pra casa. Poderia ter conversado com meus amigos sobre o último jogo do Brasil, mas não. Eu me fechei ali, naqueles minutinhos, tragando a dor e soltando ela pro mar. E as ondas continuaram batendo nas pedras.

Quando acordei hoje, com aquela cara amassada e o cabelo bagunçado como de costume, notei que eu não fiquei gripada como imaginei que ficaria. Ao invés disso, senti ali, olhando pra fresta da janela que permitia a entrada de um fino raio de sol, o ponto de interrogação indo embora pela metade. Parece que boa parte dele se desfez durante as últimas horas, depois de me consumir lentamente. E saiu por aquela mesma fresta da janela, me deixando com a sua outra metade, pra que ela se manifeste em um outro dia, num outro lugar... olhando prum outro mar.



Você poderá gostar também:

6 comentário (s)

  1. Simpático.
    Foi meio uma viagem, em outra dimensão. O mar acalma, relaxa a alma, traz paz.
    Na maioria das vezes, o mar é o próprio porto seguro, qualquer mágoa se vai quando você deixa
    as ondas levarem.
    Boa tarde,

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. sim, uma viagem bem distante, rick
      ao mesmo tempo que o mar acalma, às vezes ele nos deixa mais doidos ainda... aquelas ondas tavam muito violentas haha

      Excluir
  2. Manie, QUE TEXTO FODA.
    Cara.
    Você é uma das minhas blogueiras favoritas porque consegue brincar com as palavras (e falar sério também) de uma forma magnífica. Mas esse texto. Esse. Meu Deus. Você é foda, sério.
    Tu escreve muito bem, parabéns.
    Fiquei imaginado cada sensação, a agonia, o alívio, sei lá, tudo o que tu pode - ou não - ter passado. E as imagens vinham na minha cabeça. A praia. Ah, foda. Parabéns!

    palavras alienadas

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. brendha, seus comentários me inspiram tanto ♥
      muito obrigada pelas palavras cheias de sentimentos dentro
      fico feliz em ter passado essas sensações todas pra você!

      Excluir
  3. Ah, Manie. Pare de escrever tão bem! É tão lindo... Tão singelo e cheio de significado que nem sei o que comentar... Pois é. Como anda a vida, Manie? Comeu paçoca essa semana? ahaushahshasa' Brincadeira, vamos para a parte prática da coisa toda.
    Como já disse, achei lindo, e até me encontrei um pouco no texto. Às vezes tenho essas fases de sentir-me deprimida e pensar que o mundo inteiro conspira contra mim. Aí paro, tento escrever, escuto uma música legal ou tomo um banho mais demorado e chego a conclusão que é só encanação e fico bem. Como você, nem é sempre que estou saltitando de felicidade, mas geralmente estou bem e pra mim, bem é o suficiente.
    Sel do Jovens Gordinhas

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. sel ♥♥
      a vida anda boa hahahaha comecei a fazer pulseiras pra vender, tipo pulseiras meio hippie sabe? PRECISO DE DINHEIRO!!1!11!!1

      também me sinto bem apenas por estar bem... pra mim é o suficiente, mas não sempre. tem hora que eu sinto necessidade de algo mais intenso, de uma sensação libertadora, de algo que me transcenda (falei bonito!!)

      Excluir