Ontem eu senti a felicidade

21/09/2014

A noite tava meio quente, o que já anunciava a chegada lenta da primavera - uau, comecei esse texto de um jeito bem poético. Voltávamos de uma festa, todos com cara de derrota depois de dançar até não aguentar mais e comer muito cupcake e torta de morango. Eu poderia dizer que fiquei feliz enquanto dançava ou comia ou até mesmo bebia, mas depois que senti aquela onda me invadindo enquanto eu caminhava de volta, pela calçada, duvido que felicidade seja algo tão fácil de ser experimentado. 

Foi bem ali, naquelas quebradas que não sei se era São Vicente ou Zona Noroeste, sentindo o rímel descer pelo rosto no estilo evanescence-rainha-das-trevas, que eu olhei pro Gui e falei:

- Nossa... - e fechando os olhos, completei: tô sentindo algo tão bom!

Era tão forte e inexplicável. Fica até superficial transmitir isso em palavras agora, sentada aqui na cadeira do computador, enquanto o Jackson tá todo torto dormindo no sofá e a Alice tá toda enroladinha no cobertor, no colchão, junto com o Bob. Ainda há vestígios da sensação que me dominou ontem, naquele momento, mas não me sinto tão capaz de descrevê-la perfeitamente. Ainda assim, senti necessidade de expressar isso aqui, através de uma coisa que eu amo fazer: escrever.

Olhei pro Gui, naquele instante, e abracei ele, imaginando aquela onda de energias positivas passar de mim pra ele. E então, sem pensar duas vezes, ele saiu correndo até a Alice, que tava um pouco mais na frente, e falou:

- Alice, vem me abraçar! - abraçaram-se - Agora passa pro Jackson!

E lá foi ela, passar tudo aquilo pra ele, que depois passou pra Cris, que, sem entender muita coisa, passou pro César. 

felicidade
fe.li.ci.da.de
sf (lat felicitate) 1 Estado de quem é feliz. 2 Ventura. 3 Bem-estar, contentamento. 4 Bom resultado, bom êxito. F. eterna: bem-aventurança.

O caminho continuou e, enquanto degustávamos daquela sensação incrível, a Alice passou a mão perto de mim. Assustada, exclamou:

- Manie!! Que coisa louca! - e sorria - Tá saindo uma energia muito boa de você!

Naquela hora eu vi que eu não tinha enlouquecido. Aquilo tava mesmo acontecendo, era real. Ao mesmo tempo parecia um sonho, uma anestesia, ou sei lá. Não sei de onde veio. Talvez a semana incrível que passei com meu irmão mais velho no Rio, talvez a flor que ganhei do Virgílio, talvez a pulseira que troquei com um dos meus melhores amigos, talvez a ansiedade pra viver simulados e viagens em breve, talvez a incerteza do ano que vem, talvez, e talvez o que mais me fez sorrir ao acordar hoje, aquele que vem me fazendo reaprender a abrir meu coração e sentir coisinhas boas sambando na barriga.

Senti moléculas de serotonina invadindo meu sangue, quem sabe, junto com seus carboninhos maneiros dançando uma valsa bem dançada; ou talvez não seja algo químico, mas algo que transcenda a alma, que livro de biologia nenhum seja capaz de explicar com fórmulas.

Vi os prédios da orla de São Vicente, com poucas janelinhas acesas, e imaginei como seria viver em cada um daqueles apartamentos; como seria sentir a sensação de estar em cada um daqueles pequenos cômodos; senti o oxigênio entrar em mim e olhei pra grama extensa e brilhante que cobria o jardim da praia e deu uma puta vontade de, simplesmente, me jogar ali, deitar ali, dormir ali, não fosse a chuva e, obviamente, a violência dos dias contemporâneos; vi o porteiro de um prédio assistindo a um filme durante o expediente; comecei a rir, sorrir, cantar Love by Grace com o Gui, lembrando da novela Laços de Família, com direito a melodia e tudo mais; pensei em todas as pessoas que eu amo e que não estavam ali, diretamente, compartilhando aquele sentimento comigo, e imaginei eu abraçando cada uma delas; os que já estavam dormindo, imaginei sonhando coisas boas e os que estavam acordados, imaginei sorrindo. 

Talvez, não mais que talvez, eu não saiba explicar. Quer saber, talvez nem tenha explicação. Tudo aquilo que senti na volta pra casa me energizou de uma maneira intensa e real. Talvez eu não deva dizer talvez. O fato é que ontem eu senti a felicidade. 



Você poderá gostar também:

5 comentário (s)

  1. Que texto mais lindo esse Manie...
    É tão maravilhoso quando conseguimos mostrar as pessoas que devemos ser felizes ne??
    Sei exatamente como se sentiu...

    www.chadecalmila.com

    ResponderExcluir
  2. Caraca, Manie.
    Até eu tô sentindo essa felicidade.
    Me abraça.

    ResponderExcluir
  3. Manie, acho que a energia bacana que você sentiu foi tão forte que veio parar até aqui, onde estou! Sério mesmo, arrepiei quando li seu texto :)
    Viva a felicidade!!

    ResponderExcluir
  4. Que coisa linda!
    Acredito muito nessa troca de energias e é tão bom quando ela é assim positiva *-*

    ResponderExcluir
  5. Que bom que escreveu Manie! Pois a felicidade transpareceu em cada entrelinha e veio me fazer sorrir daqui, do outro lado de meu notebook gasto. Seja feliz sempre!
    Sel do Jovens Gordinhas

    ResponderExcluir