Sobre o tal do amor livre

18/01/2015

Tem gente que chega pra mim, olha desconfiado e pergunta: 

- Legal que você vai se mudar - daí toma o último gole do café frio e continua - E o namoro, como vai ficar?

Eu sempre tenho paciência em responder, mas fico guardando uma estranheza em mim. Ninguém me pergunta como meus avós, que vez ou outra ficam doentinhos, vão ficar quando eu me mudar. Ou, sei lá, como meus outros amigos vão se sentir com a minha partida. É sempre O Namorado. Parece até nome de filme.  

Daí eu paro pra refletir sobre isso e chego à conclusão de que estou feliz por viver a essência de um amor livre. Eu sou uma pessoa. Ele é outra. A gente se esbarrou nessa vida, na cantina de um cursinho há dois anos e de repente, PÁ, tamo namorando. Só que isso não foi uma decisão, nem um termo de compromisso, nem nada. Estamos namorando porque essa é a única palavra que o dicionário nos oferece pra tentar explicar o que a gente vem vivendo nos últimos quatro meses: não estar afim de ficar com outras pessoas; estar de buenas ficando só entre nós, simples assim. 

Sempre fui a rebelde da casa, daquelas que lutam com argumentos persuasivos pelo direito de não arrumar a cama. Isso fez com que eu me tornasse uma pessoa que não tem paciência pra depender daqueles que fazem parte da minha vida. Eu desabafo com alguns - poucos -, procuro ajuda deles quando preciso, mas sempre tento me virar sozinha primeiro. E estar namorando não quebraria essa independência que eu carrego comigo desde novinha. 

Na teoria é lindo ver como amar é libertador. Tirinhas de Facebook com passarinhos voando pra fora da gaiola tão aí pra provar isso. Colocar essa realidade em prática é outros 500. Agora mesmo eu nem sei onde meu namorado tá, pra vocês terem uma ideia. Fui no cinema com minha amiga de infância, voltei, esquentei um pedação de pizza no microondas e agora tô aqui, pedindo pelo amor do senhor deus maomé ogum pra que o ventilador da sala faça efeito. Quando paro pra pensar nesse detalhe tão simples, vocês não fazem ideia do quanto eu me sinto leve. Talvez a gente nem se fale antes de dormir, mas, se eu não morrer dormindo, teremos mais uma tonelada de dias pra conversar. 

Não sei como vai ser quando eu me mudar. Pra falar a verdade, eu nem sei onde vou morar, como vou me manter, com quem vou dividir o aluguel, nem qual órgão do meu irmão vou vender pra pagar minha passagem até lá. Meu namoro, assim como todas essas coisas, é algo que eu realmente não faço ideia de como vai ficar. Vou sentir saudade - dele e de todas as pessoas que me darão tchau do outro lado do ônibus-, mas, maior que a saudade vai ser a paz que eu sinto em saber que existe no mundo alguém como ele. 

A graça de viver é sentir as coisas intensamente, mesmo que elas cessem logo. É não ter medo do desconhecido, nem de se desprender. É saber que desapego é uma das chaves para uma respiração mais tranquila e pra'quela satisfação imensa em estar respirando. É saber que todo amor é livre, pois amor sem liberdade é qualquer outra coisa, menos amor. 

Ficando com uma pessoa ou com várias, não importa: amar livremente vai muito além de banners de John Lennons e Yoko Onos peladões com um monte de hippies pelados também na grama e fontes vintage bem desenhadas (tudo sem vírgula) dizendo "Viva o amor livre!"; amar com liberdade é ir além da superfície: é mergulhar sem saber em que ponto dela irá retornar. 

Amar é deixar ir.


Você poderá gostar também:

38 comentário (s)

  1. Que texto lindo :~ é tão difícil conseguir um relacionamento leve como o seu, e ainda mais sendo tão "recente"! Fico feliz por saber que mais pessoas ao redor do mundo compartilham da mesma visão que eu, e confesso que também fico um pouco frustrada por saber que meu relacionamento (que já está beirando os 4 anos) poderia ser mais assim, mais solto, mas os dois somos inseguros demais pra isso. De qualquer maneira, toda forma de amor é válida, e enquanto fizer bem, está bem :)

    Beijos!
    (e boa sorte com a viagem!)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. exato, Juliana
      enquanto fizer bem, é mais que válido ♥

      Excluir
  2. Manie, não sei se o outro comentário foi, então mando mais uma vez e caso cheguem dois, você deleta o primeiro, rsrsrs :P
    Gostei muito do seu texto, admiro sua postura diante dessa situação. Seria melhor se soubéssemos lidar com mais leveza em relação à fases decisivas. Deixar ser e pronto. Preciso aprender mais sobre isso...
    Quer dizer então que você passou no vestibular? Parabéns!!!
    E que essa nova fase seja de muitas novas Manies <3 Beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. a gente é ser humano, né, então tem coisa que não vem assim, tão "leve"... é preciso respirar 1, 2, 3 vezes, antes de fazer aloca sem motivo... e isso faz um bem danado! essa coisa de ser livre

      Excluir
  3. Eu não vou conseguir explicar com clareza, porque nem eu sei ao certo como estou me sentindo depois de ler esse texto. Cada parte do meu corpo arrepiou e, como você já comentou num texto meu uma vez, as lágrimas não chegaram a cair, mas ficaram todas aqui empilhadinhas nos meus olhos.

    Que pureza de texto, Manie. Que belo tapa na cara das pessoas que acham que amar é sinônimo de estar junto o tempo todo. E aquele trecho que você fala que não sabia onde seu namorado estava me tocou tão fundo na alma... Porque eu sempre quis isso. Um amor livre. Um amor sincero, puro e natural que só saber que não queremos ficar com outras pessoas, além de nós mesmos, basta. Sem limitações, sem pegação de pé, sem essa de "você vai se mudar? e agora, como fica?" como se, realmente, como você ressaltou, fosse mais importante do que como seus pais, avós, amigos e todas as pessoas que ficam pra trás vão ficar.

    Enfim. Tá confuso, mas saiba que eu amei de coração cada palavrinha que você escreveu. Esse texto ficou lindo. Um dos meus preferidos de todos os tempos. Vou até salvar aqui no Word porque sim. <3

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. brendha ♥♥♥♥...........
      seus comentários TOMBAM meus textos, sem mais!! adoro

      Excluir
  4. Que texto LINDO e leve, Manie. Fiquei até sem palavras. <3

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. se você se sentiu bem ao ler, não tem problema se não tiver palavras! consegui o meu objetivo :3 :3

      Excluir
  5. Acho os seus pontos de vista tão maravilhosos... <3

    ResponderExcluir
  6. Você tá lidando super bem com a distancia, têm gente que não tem a mesma força, mas a vida é assim :)

    http://gotasdecaffe.blogspot.com.br/
    Têm Sorteio e um projetinho de divulgação lá no blog,
    vêm participar? :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. ainda não estamos longe... só quando eu me mudar hihihi

      Excluir
  7. Um, teu texto ficou muito bonito e sem duvidas, existe uma verdade simples nele.
    Todo mundo merece um amor livre, um amor reciproco, um amor que deixe você voar pra onde bem entender. E quem sabe um dia, regressar, quando a saudade apertar demais...

    Boa noite, bjos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. ''E quem sabe um dia, regressar, quando a saudade apertar demais..." ♥

      Excluir
  8. Amei o texto e me identifiquei muito com a parte de sentir as coisas intensamente, ainda que sejam breves. É algo que eu faço sem querer e às vezes eu penso que eu sofro mais por isso, mas é algo meu que eu não consigo deixar de fazer. Acho que o dia que eu parar de sentir e começar a racionalizar tudo, não sou eu. Terminei um relacionamento esse ano, entre outras coisas, porque estava me sentindo presa. Acho que ainda não aprendi como contrabalançar as coisas e quando algo começa naquele esquema grude, dificilmente a gente consegue fazer com que ele se torne mais livre. Vou tentar começar melhor no meu próximo, porque eu sinto falta de ser "eu" e não "nós" às vezes. E definitivamente vou guardar o seu texto pra ler mais vezes no futuro.

    Beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. também sou assim, Paloma, e como! qualquer coisa que me prende já me aborrece... se não for leve, se não for livre, se não for de boa MESMO, não dá certo (isso pra qqr coisa na vida).

      sou assim, voadooora!

      Excluir
  9. Te invejo por ser tão corajosa. Acho que tenho medo do futuro, porque evito entrar em um relacionando justamente por esse motivo. Acredito que talvez mude para faculdade, para seguir meus sonhos ou sejam lá quais os motivos, um relacionamento não se encaixaria; certo?
    Não sei mais! :c
    JJKHAKJSH.
    Boa sorte'

    http://acessopermitidoblog.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. não evita, Elcimar... tenha histórias (boas e ruins) pra contar no futuro, seja pros seus netos ou pra alguma criancinha no ponto de ônibus. jamais se permita viver pela metade ♥

      Excluir
  10. Velho, teus posts sempre me surpreendem, tu consegue pegar algo tipo, que acontece na tua vida e transformar num texto lindo que serve de inspiração pra muita gente, tipo eu. Ainda esperando pelo lançamento do livro HAHHAHAH

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. muito bom saber disso, Natália, sério! em breve termino de escrever o meu (uma das metas pra 2015!)

      Excluir
  11. Aaaa espero q dessa vez meu post vá! xDD

    Realmente, namoramos de uma forma que nossos pais de vez enquando estranham HEOIUAHEIAHIE mas que pra nós é tão tranquilo. A gente não tem motivos pra prender, a gente ja sabe que nada de errado vai acontecer pq a gente confia um no outro, brincamos numa boa e principalmente, respeitamos um ao outro nas opiniões, nas vontades e no que mais puder, inclusive no fato de cada um ter que seguir sua carreira que mais gosta, do jeito que for preciso.
    Bom... Ninguem chegou perguntando pra mim como vai ser quando você for pra Floripa, pelo que eu me lembre, mas também pq eu já chego falando que "Ah tamo todo mundo torcendo pra que ela passe" e meus amigos conseguem entender que é importante cada um seguir seu caminho. Também não sei o que vai ser do futuro e as vezes machuca pela saudade, mas o que me faz mesmo feliz é que essa futura jornalista vai tomar seu rumo e vai mostrar a luz que ja tem no coração pro maximo de pessoas que puder com o seu trabalho duro. E nada tbm vai me impedir de visitá-la quando der e o mais importante é que nada vai mudar o quanto eu te amo, seja como uma namorada, seja como uma grande amiga. Algo muito forte no tempo ja nos deu laços muito fortes e que até hj estão muito firmes e continuarão independente do que houver, pq nós só queremos ser felizes, juntos e separados.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. te respondo pessoalmente RRRRRRRRRS

      Excluir
    2. Posso ser intrometida?
      Que lindo! Casem, por favor! Obrigada hahaha. <3

      Excluir
  12. O post, como sempre, ficou merveilleux, e a resposta do Vinícius Jacob aqui em cima, foi à altura.
    Realmente sempre achei estranho como, aí no Brasil, quando duas pessoas namoram elas meio que viram "uma". Parece até que casaram (e pra mim, nem casamento precisa ser tão... constrangedor). Deve ser cultural, que bom que vc entendeu que isso não se adequa a você, e não teve medo de confrontar o senso comum.
    Estou cogitando um post sobre namoro à distância há uns tempos, e vc me inspirou a tirar ele do rascunho.
    Se entendi bem, vc passou no vestibular ???! Se for o caso, mes félicitations Manie, et plein de bisous !!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. jessica ♥ merci!!
      aí fora é diferente? achei que era no mundo todo essa ideia de posse incontrolável.
      estou na lista de espera pro vestibular... foram 31 vagas, to em 32!

      Excluir
  13. Sei como é essas perguntas sobre O Namorado. Meu namoro é a distância. Eu poderia dizer que é mega tranquilo. Não é. Mas levamos numa boa, sabe? E não sabemos quando moraremos na mesma cidade de novo e até o momento, ninguém ainda me cobra isso.
    Seu texto ficou maravilhoso.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. acho que vale muito mais a pena viver um dia de cada vez, sem se preocupar com isso... se vocês estão bem mesmo longe, é o que importa!

      Excluir
  14. Amor livre é dificil, mas não impossivel. A gente tem aquele sentimento de posse, de ser MEU AMOR, MINHA VIDA, A RAZAO DO MEU VIVER. Tudo isso é tão meu. Nada parece ser nosso - ou do relacionamento -. Como uma frase de osho diz: O amor não está na posse. Está na apreciação. E assim, tento viver como você vive, pois só de saber que ele existe, eu já estou em paz.

    Livre Leve Livro

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. que comentário lindo, Gisela... e realmente, os pensamentos do Osho são incríveis ♥

      Excluir
  15. Ser assim com tudo na vida né?! Ter essa leveza de amar e deixar livre. Igual aquela frase super clichê "não corra atrás das borboletas, cuide do jardim que elas vem", sei lá.. é um negocio quase assim, haha. Mas é bem isso, cuidar do amor, da relação, saber respeitar, compreender, apreciar e zelar, independente de distância.

    Escutei alguns coisas parecidas quando fiquei um tempinho fora e é realmente muito chato. Parece que para algumas pessoas o ficar distante é sinônimo de que vai rolar traição e/ou não vai "durar" o namoro. Como lidar? haha, na base da paciência. Muita paciência. Fui, voltei e continuamos juntos. Desejo tudo de bom para vocês e ao amor livre e leve, como brisa do mar.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. sim... mesmo quando fui pra floripa alguns amigos vieram falar 'AEEE VAI APROVEITÁ HEIN!!!'
      tipo, só fui prestar as provas, por uma semana longe, apenas hahaha parece que a gente é movido à pegação, sabe? calma, gente, tem muito a se viver além disso!

      obrigada por comentar aqui e mais obrigada ainda por essa última frase super amor ♥

      Excluir
  16. Adorei seu texto! Recentemente também conheci um cara, que me traz uma paz que não consigo descrever e também sofro com tantas pessoas perguntando se estamos namorando. Como se precisássemos rotular, como se o fato de gostarmos um do outro não fosse suficiente: tem que assumir. E eu gosto justamente por ser assim, levinho, como o seu deve ser. Em dezembro vou para Irlanda e procuro nem pensar como será. Que seja amor, até deixar de ser.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. que lindo, cara ♥
      a gente também tava nessa de não rotular e tal, mas achamos bonitinho falar que tamo namorando... só por isso mesmo. o resto continuou do jeitinho que tava hihihi

      Excluir
  17. Gente, que coisa gostosa ler isso. Deu vontade de pegar e jogar na cara da sociedade que não entende que namorar não é se costurar em alguém. Que aconteça o que for melhor e que você ame isso. :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. e o melhor de tudo é saber que na prática isso é possível... é só não complicar as coisas... ficar leve!

      Excluir