Troca de ideias ou disputa de ego?

31 de agosto de 2016

Discutir é algo que, em tese, faz a gente amadurecer, repensar ou reforçar nossas ideias. Não sei se o que vou dizer é comum a todos os seres humanos, mas eu particularmente não suporto ser contrariada. Lembro quando eu tinha lá meus 12 anos e pedia pra dar meus rolê com as miga. Era sempre a mesma treta com a minha mãe:

- Mãe, posso ir no cinema com a Ju?
- Não.
- Por que?
- Porque não, Mariany.
- Mas eu quero um motivo.
- PORQUE EU TÔ LOUCAAAA


Quando o Facebook surgiu então, nossa. Nossa. Era só eu ver um comentário sem noção que lá ia eu rebater, dar minha opinião, pisar nos argumentos alheios, mostrar pra que vim ao mundo. Felizmente, dessas drogas eu já larguei.

Daí vem os debates que ocorrem pessoalmente - e no ambiente universitário, isso é elevado à décima potência. Não que todos os estudantes/professores sejam assim, mas tem uma galera que fode a paciência. Eu acho que eles já acordam pensando: 
"(...) com quem será que iniciarei um debate hoje no qual ignorarei tudo o que a pessoa falar já que meus argumentos são 100% ótimos e eu sou embasadíssima nas teorias e se reclamar lhe tasco a bibliografia obrigatória?"
IRRITANTE, Ser Humano.  
Eu comecei a parar de debater coisas desnecessárias quando percebi que depois de um longo debate estressante, me via em meu quarto, horas depois, debatendo com o ar como se eu ainda estivesse discutindo com a pessoa (aqueles argumentos que surgem depois de algum tempo, ceis sabem bem, né?).
é exatamente assim

Cara, não é normal eu ficar dublando uma treta que já aconteceu. Aquilo ficava me matando por horas, às vezes dias, e me deixava emputecida. Quando percebi que me estressava fácil com debates que eram pura disputa de ego, comecei a parar de discutir. Porém, não está sendo fácil, porque se você abre mão desse joguinho de quem argumenta melhor, você acaba parecendo o bobão. A pessoa chega no salto do embasamento, pronta pro ataque


e você sabe que tu tem O Argumento Fatal, mas sabe mais ainda que a pessoa não vai suportar a fatalidade do teu argumento e vai continuar enchendo a porra do teu saco. O resultado final é sempre stress, vontade de argumentar com um PORQUE EU TO LOOOOUCA e coisas do tipo.

Entre ser a boba e a estressada-com-a-saúde-mental-afetada-por-debates-sem-necessidade, resolvi ser a boba. Quando sinto que a conversa não vai me agregar ou que eu fui mal interpretada, eu deixo pra lá. A pessoa provavelmente vai continuar interpretando errado, mas eu aprendi que não tenho que provar nada pra ninguém. Minha consciência tá tranquila. 

E olha, migos, faz muito bem abrir mão de parecer certa, pra aparentar ser ignorante, ou nem aí, por mais que você esteja. É um trabalho que deve ser feito diariamente, mas que gera resultados instantâneos no seu bem estar. Segue a receitinha:

A pessoa falou algo que você:
a. já havia debatido com ela em outro dia e parece que ela não superou 
b. já debateu com outras pessoas e só ficou mal
c. não vai te acrescentar nenhuma reflexão interessante naquele momento
e por último, mas não menos importante, letra d. você simplesmente não tá afim

passo 1: encha um copo d'água
passo 2: beba lentamente enquanto ouve a pessoa falar
passo 3: deixe o último gole dentro da boca e aguarde 10 segundos (respirando fundo)

a vontade de debater vai continuar dentro de você por cerca de 10 minutos, mas seja forte.


Se você quiser jogar a real, fala logo "cara, não quero debater. hj tô com preguiça, flw". Ou então encha o segundo copo d'água. Lembre-se: nada melhor do que deixar no vácuo alguém que tá louco pra debater. Isso supera qualquer argumento. 

- Nossa, você achou difícil esse livro que a prof mandou ler? É meu favorito. Você ainda não viu nada. 
- É verdade. Já venho.

e nunca mais volto.

Manie
estudante de jornalismo, escritora por amor e professora nas horas vagas. 22 anos, moro em Floripa com meu companheiro e tomo cerca de 5 doses de café diárias. amo cheiro de livro velho e sou gamada numa biblioteca. adoro vinho barato, noites frias - dessas que sai fumacinha da boca. sou rolezera, mas também gosto de ficar em casa de buenas fazendo sopa.

talvez você também goste:

2 comentário (s)