Aos meus pais e a todos os trabalhadores do país

03/09/2016

Diante do que vem acontecendo na esfera política do nosso país, sinto que estamos todos bem cansados. É tanta notícia bombando por aí que mal da tempo de a gente parar, pensar e concluir alguma coisa. E isso é um problema.

Eu poderia usar esse espaço pra expor minha opinião, como forma de desabafo, mas já desabafei muito na última quarta-feira inalando gás de pimenta. Não sei o que me levou a escrever esse texto. Talvez essa alma de professora que insiste em me preencher, junto a uma palavra que eu, particularmente, gosto muito: didática

Se você já ficou meio bolado porque acabou de descobrir que manifestei contra o que está acontecendo, peço que tenha maturidade suficiente pra ler esse texto até o fim. O objetivo aqui não é te convencer das minhas ideias, mas instruir pessoas que mal sabem o que está acontecendo e estão completamente perdidas. 

Quando parei pra ler sobre esse longo processo de impeachment, há um tempo atrás, confesso que buguei. Palavras como "créditos suplementares" e "responsabilidade fiscal" não parecem tão simples de entender. Se eu, que estou no ensino superior em uma universidade federal, achei complicado, imagina pro meu vô, que não concluiu nem o fundamental? Parece proposital que esse tipo de discussão esteja tão distante da maior parte da população. Um dos textos que li, para entender um pouco mais sobre isso, já logo alertava: "Parece ser matéria fácil, mas, não o é. Requer conhecimentos básicos de direito orçamentário para bem compreender a legislação de regência da matéria.". WTF is direito orçamentário na fila do pão, né?

Já perceberam que quando a gente recorre a alguma autoridade pra solucionar algum problema que nos atinge, seus representantes começam a falar praticamente em hebraico? Duvido muito que seja falta de didática. A intenção é clara: fazer a gente não entender. Várias tabelas, várias porcentagens, números, palavras difíceis e, no final, a gente acaba sendo levado a acreditar que estamos exagerando ao exigir direitos mínimos e que o outro lado está certíssimo. Números assustam a gente e fazem a gente se sentir pequenos diante de toda essa complexidade. E no caso de toda essa treta do impeachment, isso fica muito óbvio. Mas olha aqui pra mim: a gente vai entender essa porra e vai ser agora.

Eu vejo muitos amigos que, assim como eu, também são contra o impeachment, lutando pra que a classe trabalhadora reconheça e garanta os seus direitos, mas melhor do que lutar por eles é dar a oportunidade a eles de se conscientizarem a respeito do que está acontecendo no país e, quem sabe, lutarem por eles mesmos também. 

Não acredito em imparcialidade, mas como o objetivo desse texto não é condicionar ninguém, deixo aqui as fontes de informação mais didáticas que encontrei pra que os leitores possam chegar às suas próprias conclusões. Se alguém quiser colaborar com outros links, fique à vontade.

Essa reflexão serve, também, pra quem tem oportunidade de entender o que tá rolando, mas não sabe nem por onde começar - inclusive migos universitários. Sei que tem muitos colegas que tão mais perdidos que eu quando vou em loja de produtos pra casa. E esse recadinho vai justamente pra essas pessoas, que são as que tem oportunidades: a gente tem que cuidar da nossa saúde mental e se distrair com o que nos faz bem sim, mas fingir que política não importa e tacar o foda-se pro que tá acontecendo é, no mínimo, preguiça. 

Sentem a bundinha quando tiverem um tempo e leiam sobre o que está acontecendo. Não importa de que lado você está, mas pelo amor de deus, parem de compartilhar manchetes que surgem no facebook sem estudar o contexto - e pior, sem ler o próprio texto que compartilhou. Se possível, chama o pai, a mãe, a vó, aquele tio que trabalhou o dia inteiro, a prima que tá no subemprego - que você acha que é porque ela não tem coragem de botar uns dread no cabelo e sair por aí igual o rapaz do Na Natureza Selvagem - e mostra os links que vou deixar. Leia com eles. Explica o que tá acontecendo. Vâmo estourar essa bolha universitária, em nome do olho torto do Thom Yorke.

Informações que você precisa saber:

- Câmara e Senado: qual a diferença? pra que servem? quem tá lá?
para saber, clique aqui.


Links:


8) Qual a diferença entre o impeachment de Collor e o de Dilma?
link 1 | link 2

Para entender mais sobre créditos adicionais (dentre eles, o crédito suplementar), indico essa vídeo aula.

O site Politize disponibilizou um e-book sobre todo o processo de impeachment. Para fazer o dowload, é simples: clique aqui e preencha os campos obrigatórios. 

Manie
Estudante de jornalismo, escritora por amor e professora nas horas vagas. Tenho 22 anos, moro em Floripa com meu companheiro e tento ver graça nas coisas simples do dia-a-dia.

Você poderá gostar também:

3 comentário (s)