Aquele cafezinho

08/10/2016




Passar um cafezinho de manhã é um dos momentos que mais gosto do meu dia - no coador de pano mesmo, igual minha vó ensinou. Quem me conhece sabe que eu não escovo os dentes depois de tomar café porque amo/sou gosto de café na boca. 

Adoro ouvir o famigerado "vamos tomar um café", principalmente se for em padarias ou na casa dos outros. Sem contar que café é sempre um ótimo pretexto para tudo nessa vida, além de ser um tanto quanto misterioso: quando te chamam pra tomar um café, isso pode significar um monte de coisas, desde "pelo amor de deus, preciso desabafar com você" ou "e aí, rola um afeto?" ou, simplesmente, "cara, realmente to muito afim de tomar café e quero sua companhia". 

Dia desses, a Bianca - que ainda não apresentei aqui, mas que mora comigo - me chamou prum café depois do meu trabalho, já que ela ia estar lá pelo centro. Fomos no "Padeiro de Sevilha", que as pessoas chamam só de Sevilha e eu chamo de O Melhor Lugar pra Tomar Café na Cidade. Em meio a luzes amarelas e aquele cheiro de pão saindo na hora, uma única mesa comprida se esticava pelo lugar. Achei isso incrível porque se você vai lá sozinho e quer dar uma conversadinha, estar em uma única mesa com as outras pessoas torna isso mais fácil - mas tudo bem também se você quiser ficar de boas, lendo um livro ou olhando pro teto. Comprei um folhado de brócolis, uns pãezinhos chamados "napolitanos" - que são cobertos por queijo e tomate - e um café com chantilly que esqueci o nome. Fiquei olhando aquela infinidade de pães maravilhosos e comecei a viajar, imaginando como seria se o Vini tivesse morando aqui e eu chegasse em casa falando "trouxe uns pão maneiro".

Outro lugar pra tomar café é no prédio onde eu trabalho. Lembro que no primeiro dia, passei por ele e fiquei apaixonada, mas achei que fosse o tipo de lugar que te cobra o rim por uma dose de cafeína, então deixei passar. Ontem, entretanto, eu resolvi usar óculos, e quando passei pelo café, consegui enxergar o cardápio grudado na parede. 2,00 o café coado; 3,50 o expresso. Precisa mesmo responder se irei todo dia?
  



Manie
Estudante de jornalismo, escritora por amor e professora nas horas vagas. Tenho 22 anos, moro em Floripa com meu companheiro e tento ver graça nas coisas simples do dia-a-dia.

Você poderá gostar também:

8 comentário (s)